O Storytelling é a arte de contar histórias fabulosas, com propósitos épicos e de uma forma fantástica! E pode ser a ferramenta de vendas mais poderosa que você vai conhecer.

O Storytelling vai muito além do simples ato de contar histórias. É contar histórias fabulosas, capazes de prender a atenção do seu público e ao mesmo tempo trazendo algo de grande valor. Tudo isso junto, contado de uma forma fantástica.

Em um mundo sobrecarregado de informação e elementos que disputam a atenção das pessoas à todo momento, conseguir a atenção delas é algo extremamente difícil. Em 1971, o economista estadunidense Herbert Simon observou que a quantidade de informação poderia (e ainda pode) continuar crescendo, mas a quantidade de atenção humana é limitada.

O mundo em que vivemos, com uma quantidade de informação imensa sendo despejada sob todas as nossas formas de percepção gerou um grande desafio a ser transposto pelos profissionais de Marketing de todos os segmentos: A escassez da atenção!

A informação só atinge a consciência quando é objeto de atenção. Segundo a neurociência, nós não prestamos atenção em coisas chatas e filtramos as informações para nos orientar. Mas então, como conseguir capturar a atenção das pessoas? A resposta é simples, mas o processo pode ser complexo: Utilizando as histórias!

As histórias são utilizadas com a finalidade de transmitir conhecimento e, acima de tudo, atrair e prender a atenção das pessoas ao longo de toda a História da humanidade. Os antropólogos dizem que 700 mil anos atrás duas linhagens se separaram: uma gerou os humanos modernos e outra os neandertais. Os dois grupos tinham a capacidade da linguagem, e além disso, os neandertais eram mais fortes. Mesmo assim foram exterminados pelos humanos! Não deveria ter sido o contrário?

O pensamento mais aceito é que alguma mudança cerebral nos humanos garantiu a vantagem competitiva da nossa linhagem sobre os neandertais. Talvez alguma forma de utilização específica da linguagem, mais sofisticada. Por exemplo, a capacidade de contar histórias.


Os cientistas dizem que somos feitos de átomos, mas um passarinho me contou que somos feitos de histórias. - Eduardo Galeano.


Storytelling na prática...

A melhor forma de ilustrar como funciona o Storytelling e que você entenda a importância da sua aplicação é trazendo um breve resumo de uma das histórias mais antigas e fascinantes da humanidade. Se você nunca leu o livro "Mil e Uma Noites" aí está um grande exemplo do conceito e aplicação do Storytelling, de forma muito resumida, é claro.

Eu sei! Neste momento talvez você esteja pensando que eu enlouqueci, dizendo que uma história com mais de mil anos explica como as empresas de hoje devem se comunicar! Mas leia, tenho certeza que você vai se surpreender!



...


Tudo começa com a morte do maior de todos os imperadores da Pérsia. Este imperador sempre foi visto como um homem justo, amado pelos súditos e temido pelos adversários. No dia em que ele morre, o seu filho mais velho, Xá Riar, assume o trono.

O irmão mais novo, Xá Zanam, mesmo sem direito a nada, não se rebela, e continua amigo e leal ao primogênito. Por toda devoção e lealdade, o novo imperador decide dar ao irmão mais novo o direito de reinar em uma parte do território de seu império.

Imperador e rei governam felizes durante dez anos. Conhecem lindas mulheres e se casam, até que um dia, o rei recebe uma carta do imperador que dizia: "Querido irmão, passaram-se 10 anos desde que o nosso pai faleceu. Fico feliz que esteja bem, mas sinto sua falta. Gostaria de tê-lo por aqui nessa ocasião. Aguardo vossa presença."

Na ausência do rei, a rainha ficaria reinando. O jovem irmão não gostava da ideia de se separar da sua mulher, mas ainda assim aceitou o convite. Afinal, veio daquele que, além de seu irmão mais velho, também era o seu imperador.

Depois de semanas de preparativos para a viagem a comitiva finalmente partiu para a longa viagem até a capital imperial. Depois de alguns quilômetros, o coração do rei apertou e ele sentiu uma saudade antecipada insuportável e resolveu voltar para o palácio deixar o último beijo na mulher antes de se ausentar por algum tempo. Na hora em que o rei chegou ao palácio encontrou a mulher que tanto amava dormindo nos braços de outro homem!


Agora perceba! Se você chegou até aqui nesta leitura, provavelmente vai ficar irritado se eu a interromper agora não é mesmo? Fique tranquilo, não vou interromper sem finalizá-la. Mas este parágrafo é uma boa forma de ilustrar como uma boa história é capaz de atrair e capturar a sua atenção, desde que ela estabeleça inicialmente de forma clara do que se trata a história a ser contada. Agora sim, voltemos à traição...


Ao ver a sua mulher na cama com outro homem o rei resolveu manter a honra da família e com um só golpe degolou a mulher e o amante. Sem muito esforço ele atirou os dois corpos pela janela em direção ao fosso do castelo. Esfregou o suor que lhe brotava na testa, deu um profundo suspiro, livrou-se da roupa ensanguentada, tomou um banho, e com novos trajes seguiu sua viagem para encontrar seu irmão.

Após dias de solidão no deserto e com os fantasmas atormentando sua alma, quando enfim chegou à capital estava cabisbaixo, com olhos vermelhos e um semblante de poucos amigos. O irmão mais velho não deixou de notar a expressão, mas acreditou que era culpa da longa e cansativa jornada. Um grande banquete estava à espera, mas o caçula não quis comer e pediu licença para se retirar mais cedo ao aposento.

Para desespero do imperador, o irmão mais novo continuou depressivo nos dias seguintes. Passada uma semana ele decidiu ter uma conversa com seu irmão caçula. No grande salão, o imperador foi direto ao ponto: "Meu querido irmão, o que está acontecendo? As minhas lembranças relatam apenas a sua alegria de viver, mas desde que voltou, parece que minha memória me trai."

O mais novo nada falou, então o imperador continuou: "Você tem o que qualquer homem apenas sonha. Um vasto território, súditos e uma mulher linda! O que está acontecendo? Finalmente o mais novo respondeu: "A questão é que nada vale à pena." E sem falar mais nada levantou e retirou-se novamente para o seu aposento.

No dia seguinte o imperador Xá Riar tentou uma nova estratégia para animar o irmão. Convidou-o para caçar (o que era uma grande diversão para a época). Então Xá Riar organizou uma expedição de três dias e tinha certeza que isso mudaria o humor do irmão. Mas para sua decepção, o mais novo sequer saiu da cama. O imperador decidiu ir mesmo sem ele, e aproveitar o ar livre para pensar no que poderia estar acontecendo.

Quando se viu sozinho no palácio, Xá Zanam resolveu subir até a torre mais alta e colocar um fim na sua vida. Foi quando, no parapeito da janela, pronto para saltar, seus olhos captaram um movimento curioso no jardim. Ele havia acabado de ver... não, não poderia ser!

Xá Zanam esfregou os olhos para ter certeza de que não estava alucinando. Mas sua vista nunca o traiu. Realmente era a impetratriz, abrindo uma passagem secreta, e de lá saíram mais de uma dezena de escravos. Em pouco tempo os corpos estavam nus e litros de vinho eram derramados até que o clima pegou fogo. O rei fica assistindo a tudo até que exclama: "Sim! Eu não sou o único..."

Quando o irmão mais velho retornou da caçada o mais novo estava sorrindo, e admirado o imperador pergunta o que aconteceu, afinal, essa foi a primeira fez que encontrou o seu irmão feliz desde a sua chegada. Entre recusas e insistências o irmão mais novo resolveu contar o que aconteceu. Em primeiro lugar, contou o motivo de estar tão triste, a traição da sua mulher. Xá Riar ficou indignado. E em seguida quis saber o que então o tinha deixado feliz novamente.

- Mas o que o fez ficar tão feliz? Encontrou alguma mulher aqui no reino?
- Não, não foi bem isso...
- Então o que foi? Diga!
- O que aliviou meu pesar foi descobrir que não sou o único. A sua mulher também está te traindo!

Para comprovar a história, o rei sugeriu uma armadilha. No dia seguinte os dois organizam uma pescaria e voltam escondidos no meio do caminho, e para a desgraça do imperador encontram a imperatriz com os escravos. O vinho deu lugar ao sangue, que tingiu a grama e a memória do imperador. Ele não poupou ninguém.

No meio de todo aquele cenário de fúria e caos o imperador faz um pacto sagrado consigo mesmo. Ele jura que jamais seria traído novamente e cria um plano para garantir o cumprimento da promessa. A partir do dia seguinte, ele deveria se casar com uma garota virgem do palácio e ao fim da noite de núpcias, no primeiro raiar de sol, a garota seria levada pelos guardas até o vizir, que teria que acabar com a vida da garota. E esta passou a ser a rotina diária de todos.

Três anos de sofrimento se passaram e o imperador não estava disposto a mudar de ideia. O reino entrou em crise e o imperador que era adorado, passou a ser temido e desprezado. Até que um dia uma jovem resolveu mudar essa história.

Xerazade era a filha mais velha do vizir, aquele que tinha a tarefa de acabar com a vida das meninas que haviam dormido com Xá Riar. Certo dia, Xerazade chamou o pai e revelou que tinha um plano para acabar com toda aquela injustiça: decidiu que na próxima noite, ela iria se casar com o imperador.

O pai obviamente não aprovou o plano. Contudo, se você conhece a alma feminina sabe muito bem que, quando uma mulher quer alguma coisa, não há nada entre o céu e a terra capaz de impedi-la, e na mesma noite, para desconsolo do pai, lá estava Xerazade casando-se com o imperador.

O vizir passou a noite em claro, sofrendo e imaginando como seria terrível cumprir a ordem de seu imperador de matar a jovem garota que ele viu nascer. Quando encontrou Xá Riar pela manhã, para surpresa e alívio do vizir, o imperador apenas disse: "sua filha ganhou um dia mais de vida". O vizir ficou aliviado e curioso. Mais tarde quando encontrou a filha, pediu que ela contasse o que aconteceu.

Então Xerazade revelou seu plano, e contou que assim que se acomodaram em seu aposento após a cerimônia, alguém bateu na porta. O imperador foi pessoalmente dispensar o inconveniente e se surpreendeu ao abrir a porta e encontrar uma linda jovem, que disse:

"Ó, Xá Riar, rei dos reis! Peço desculpas pela interrupção desse momento, vim apenas me despedir de minha irmã."

Quem estava na porta era Duniazade, a irmã mais nova de Xerazade. Xá Riar deixou que ela entrasse. A bela jovem abraçou a irmã com uma lágrima escorrendo pelo seu rosto e se virou para o imperador e fez mais um pedido.

"Já que minha irmã tão amada vai morrer amanhã, gostaria de fazer um último pedido. Gostaria de ter algo da minha irmã nesta noite para que possa ter como recordação. Todas as noites nós fazemos um ritual antes de dormir e nessa noite derradeira gostaria de repetir esse hábito uma última vez. Ó misericordioso Xá Riar, será que minha irmã poderia me contar uma última história?"

Xá Riar concordou que ela contasse uma última história, e depois Duniazade deveria se retirar para que eles consumassem o casamento.

Xerazade sabia que sua vida dependia daquela história, literalmente. Então ela iniciou uma bela história sobre o maior mercador do mundo. Xerazade mencionou o episódio de quando ele estava partindo para a missão que parecia impossível: vender areia para tribos nômades do deserto. O imperador estava curioso para saber como o mercador realizaria este feito.

Acontece que no caminho o mercador tem a infelicidade de cruzar o caminho de Ifrit, um tipo de gênio malvado. Para azar do mercador, ao encontrar um oásis, ele foi descuidado e destruiu algo muito importante para Ifrit. Como castigo, o gênio disse que tiraria a vida do mercador. Acontece que o mercador, em sua esperteza, conseguiu fazer um acordo com o gênio, garantindo um ano de vida a mais para poder sofrer a cada dia, sabendo que seu fim estava se aproximando.

Xerazade contou em detalhes como o mercador aproveitou o ano de vida para fechar negócios incríveis e também para se despedir de pessoas especiais. Aliás, foi quando ele estava reunido com sua família que Ifrit apareceu para aplicar a punição. Em uma cena dramática, onde todos correram para abraçar o pai e marido, o gênio arrancou o mercador dos braços de todos, jogou o pobre homem contra o chão e puxou uma espada curvada, preparando-se para desferir o golpe fatal...

Foi neste momento climático da história que algo aconteceu: o primeiro raio de sol entrou pela janela anunciando um novo dia! Xerazade interrompeu a história e disse: "infelizmente vocês não vão saber o que aconteceu. É uma pena..."

O imperador foi pego de surpresa. Em um momento de desespero, pediu para que ela concluísse a história. Mas Xerazade insistiu que seria impossível, que um novo dia havia raiado e que ela tinha que seguir para o seu destino final.

Foi então que o imperador entendeu o plano das irmãs. Ele pensou um pouco e disse: "vamos fazer o seguinte, só por hoje você não vai morrer, de noite você termina de contar a história e amanhã, no primeiro raiar de sol, eu mesmo matarei as duas."



...



E depois desta primeira noite, seguem outras mil, seguidas de histórias incríveis, contadas de forma fascinante. E toda vez que algo muito importante está prestes a acontecer, vem o raiar do sol. Isto soa familiar para você? Toda vez que surge um momento crítico, cheio de suspense, ou alguma revelação inesperada acontece, aquele episódio daquela série que você adora acaba, te deixando quase sem escolha, a não ser seguir para o próximo episódio.

É assim que uma boa narrativa te prende durante todas as intermináveis temporadas. Ou um bom livro de ficção te prende até a última folha, te deixando ansioso pelo lançamento da continuação. E, possivelmente, foi assim que eu te prendi até este ponto do texto!

Principalmente na era das redes sociais, estamos em um momento onde o mais importante não é simplesmente divulgar o seu negócio. Não há mais espaço para textos sem emoção ou sentido que simplesmente vendem algo. O mundo sofre do que é chamado de "Economia da atenção", e se você quer se destacar e, não só ATRAIR, como PRENDER a atenção das pessoas, você precisa ter uma boa história para contar. Uma história capaz de gerar novas conversas.

Esta é a importância do Storytelling para os negócios no mundo atual.

E eu finalizo este blogPost com uma frase citada logo no início do filme "The Legend of 1900 | A lenda do pianista do Mar" (Que alias é outra grande história que eu recomendo muito que você assista).


Você nunca estará acabado enquanto tiver uma boa história para contar, e alguém para ouvi-la.



Fiz este post tendo como principal referência o livro:
O Guia Completo do Storytelling - Fernando Palacios & Martha Terenzzo



Sobre o autor

JAMES WILLIAM | Social Media / Designer
Trabalha com tecnologia a mais de 15 anos, com foco em Marketing Digital desde 2011. Designer apaixonado por criar Marcas, Marketing, Mídias Sociais e viciado em aprender e compartilhar conteúdo.

Siga nas redes sociais